Leite: produtores fazem greve em RO contra preço baixo; situação é desafiadora, diz entidade

Os preços baixos pagos pelo litro de leite são um desafio para produtores de todo o Brasil e em Rondônia a situação não é diferente. Há pelo menos duas semanas os pecuaristas paralisaram parcialmente a entrega do produto aos laticínios, segundo Alessandra Lunas, presidente da Federação dos Trabalhadores Rurais do estado (Fetagro).

“O preço do litro pago aos produtores foi reduzido em R$ 0,60 nesse mês. Sabemos que a questão do preço está complicada em todo o país, mas aqui no estado acredito que ela seja mais grave”, conta Alessandra. Segundo ela, atualmente os produtores recebem R$ 1,20 pelo litro, enquanto o ideal para cobrir os gastos seria R$ 1,60.

Apesar do momento crítico no estado, a presidente da Fetagro diz que o movimento de paralização não é abraçado por todos os produtores. “Mesmo com o preço baixo, alguns ainda insistem em fazer a entrega do produto, pois alegam que precisam do dinheiro. Temos outros grupos mais radicais, que já pararam caminhões tanque e despejaram o leite na estrada para impedir a entrega às indústrias. O nosso papel enquanto entidade é buscar um diálogo entre as partes e chegar em um resultado que seja bom para todos os envolvidos na questão”, afirma Alessandra.

A dirigente esteve reunida nesta semana com representantes da secretaria da Agricultura do estado para discutir a situação do setor leiteiro no estado. Um grupo de trabalho foi criado para discutir quais ações podem ser adotadas para auxiliar os produtores. Como alternativas que poderiam ser implementadas, a presidente da Fetragro cita subsídios para a compra de insumos e ainda uma política de preço mínimo.

Problemas para a cadeia do leite

Um dos problemas que agrava a situação dos produtores rondonienses é a falta de uma referência para os preços do leite no estado. De acordo com Alessandra, há dois anos o estado não conta com avaliação nas cotações feita pelo Conseleite. O conselho deve voltar a se reunir neste mês para discutir a questão.

Segundo Alessandra, a situação dos produtores se torna mais preocupante pois os laticínios também alegam dificuldades. “Eles alegam que estão com estoques em alta e não conseguem passar para frente devido aos preços nas gondolas. A verdade é que não temos preço justo para ninguém. Os insumos subiram assustadoramente nos últimos seis meses, e ao mesmo tempo o leite não acompanhou essa valorização”.

Em todo o estado são cerca de 28 mil produtores, que processam 1,6 milhão de litros de leite por dia. A Fetagro acredita que a greve do setor deve continuar, mesmo que de forma parcial, até que uma medida para balizar os preços seja encontrada.

Fonte: Canal Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *